Blogs

  • Jun

    06

    2019

Empresas familiares e o futuro

 

 

Quem já não pensou em abrir uma empresa familiar e  vê-la passar para os herdeiros. No passado isso era cada vez mais comum e avôs, pais, filhos e netos trabalhavam lado a lado. Os tempos mudaram e hoje apenas uma em cada três empresas familiares ultrapassa a terceira geração dos fundadores. E, dessas, apenas 30% chegam à quarta geração. Qual é o segredo? Talvez o mais importante seja a preocupação em passar às novas gerações a paixão pelas raízes e pelo próprio negócio.

Como quem planta sementes, quem está no comando preocupa-se em formar sucessores cedo, quando eles ainda são meras crianças. Mas essa não é a única lição para os empreendedores. Eis mais algumas:

1 - Controle de caixa - Pesquisas internacionais revelam que apenas 5% dos negócios familiares continuam a gerar dividendos atrativos para os acionistas depois da terceira geração. A ordem é controlar o caixa com pulso firme.

2 - Seleção criteriosa - Jamais empregar alguém que não possa ser demitido. Os descendentes do fundador precisam acumular experiência no mercado e aprender a olhar a empresa da família não como uma herança, mas como um negócio.

3 - Crescimento limitado - Por mais eficiente que seja a empresa, dificilmente crescerá mais do que a família. Por isso, muito cuidado para não comprometer o negócio por transformá-lo em um cabide de empregos.

4 - Conflitos à parte - Estudo feito por uma consultoria internacional especializada em gestão de empresas revela que 65% dos casos de mortalidade decorrem de conflitos entre parentes. Por isso, é importante deixar os rancores do lado de fora dos portões da companhia.

5 - História passada a limpo - Procurar manter o vínculo dos descendentes com o negócio deve ser um exercício diário. Uma das formas de fazê-lo é estimular a participação dos herdeiros desde cedo na rotina da empresa.

6 - Valorização da essência - É indispensável passar às próximas gerações os princípios e os valores que nortearam a criação do negócio.

7 - Planejamento em longo prazo - Empresas somente atravessam décadas de vida porque seus gestores estão sempre atentos aos rumos do mercado, aos movimentos da concorrência e às inovações tecnológicas.

8 - Aprender com os erros - A maioria da empresas familiares já passou por pelo menos um problema sério ao longo de sua história. Porém, é importante aprender com a história do negócio e tentar não repetir os erros do passado.

9 - Olho no futuro - A tradição é um grande diferencial, mas empresas devem ter os olhos voltados para o futuro, para não perder o lugar no mercado.

10 - Sangue novo - É importante que cada geração que assuma o comando dê fôlego ao negócio e ao modelo de gestão, de modo que a empresa seja renovada e esteja preparada para enfrentar novos desafios.

 

Luiz Antonio Guarnieri – Presidente da Acimm