Blogs

  • Mar

    14

    2019

O mundo virtual

O e-commerce brasileiro teve o crescimento de 12,5% entre maio de 2017 e maio 2018, segundo pesquisa promovida por empresas especializadas. Não há como voltar atrás e a venda pela internet é algo que tende a ganhar cada vez mais força.

De olho nas notícias do país e possível perceber que o perfil do e-commerce brasileiro 2018 verificou que 75 mil sites de vendas online foram abertos desde maio do último ano. A quantidade revela um período de maturação do mercado, ainda segundo autoridades no assunto.

Como presidente da Associação Comercial e Industrial de Mogi Mirim (ACIMM), o melhor conselho a ser dado é buscar ajuda e também buscar ter uma extensão dos negócios na rede mundial de computadores.

Os mais jovens compram com frequência e cada vez mais gente adere a esse movimento. Você pode não ter o produto para tocar, mas os preços atraentes acabam fazendo a diferença. A Netshoes, empresa que vende pelo e-commerce não só vende como efetua trocas. Isso deu a empresa uma credibilidade sem tamanho e um nicho de mercado difícil de ser batido.

Os meios de comunicação especializados anunciaram que o faturamento entre maio de 2014 e maio de 2016 foi expressivo (aumento de 24% entre 2014 e 2015 e 21% entre 2015 e 2016). Já o período seguinte apresentou queda no crescimento (apenas 9,23% de 2016 para 2017). A expansão de 12%, em 2018, seguiu a tendência de criação de empresas nos demais setores da economia.

As 675 mil lojas ativas online atualmente – contra 600 mil existentes em 2017 – são responsáveis por 5,63% dos sites no Brasil. Dentre estes, destaca-se a diminuição dos pequenos e-commerces em comparação aos médios e grandes. Em compensação, a pesquisa aponta que os pequenos sites representam 82% do comércio eletrônico brasileiro, contra 97%, em 2017.

Para se manter no mercado e garantir cada vez mais espaço é preciso ousar. Porém, nunca deixar de se qualificar e buscar auxílio de profissionais sérios. Nosso comércio é forte e as oportunidades estão aí para quem quiser garantir seu filão no mercado.

 

Luiz Antonio Guarnieri

Presidente da Acimm